Artigos

In Artigos

MagistradAs propõem criança trabalhando a partir dos 14 anos de idade!

 

Criança e trabalho infantil

MagistradAs propõem criança trabalhando a partir dos 14 anos de idade!

 

Como disse alguém, a estupidez não tem tamanho!

 

A proposta, além de indecente é burra, cruel e desumana!

 

Burra porque faz regredir a meados do século XIX, quando Karl Marx, por exemplo, denuncia o trabalho de crianças de 7 anos de idade nas minas de carvão na Inglaterra.

 

Portanto, nesse aspecto, a proposta indecente é um retrocesso atroz!

 

Como a loucura, sempre para escravizar os outros, não tem limites, propõem elas 14 anos. Em breve, proporão aos 10 anos e, depois, aos 7 anos de idade, de novo!

 

É cruel, pois tira de uma criança o que a ela deve ser reservado: o lazer e os estudos, que é o que preparam-na para seu futuro!

 

É desumana pelo que já se disse acima e por desconhecer, por má-fé, que o trabalho não é nada nobre, ele apenas é necessário para que se sobreviva!

 

Se fosse nobre, os filhos dos ricos e os das magistradas também trabalhavam, mas, ao contrário, vivem apenas para estudar, depois de bem alimentados, vestidos e com boas moradias.

 

Um problema social não se resolve com soluções mágicas!

 

Eles trazem inúmeras implicações e se misturam uns aos outros de modo a que todos mereçam a atenção devida!

 

Imaginemos o corpo humano: quando estamos saudáveis imaginamos que o dedo mínimo de qualquer dos pés não serve para nada, mas quando ele está machucado começamos a perceber sua importância.

Não é sem razão que chamamos a sociedade de “corpo” social.

 

Assim, um problema está sempre implicado em outro.

 

A proposta indecente das tais magistradas aumenta em crueldade por elas quererem que trabalhem apena os filhos dos outros a partir dos 14 anos de idade, os delas NÃO! NUNCA! JAMAIS!

 

Prova disse está no que elas pretendem para o “Estatuto da magistratura”, da qual elas fazem parte, cuja minuta lhes garante o seguinte ("Minuta de Anteprojeto do Estatuto da Magistratura"):

 

“Art. 103. São asseguradas aos magistrados as seguintes verbas indenizatórias:

...

VIII – auxílio-creche e auxílio-educação;

...

 

§ 9º O auxílio-creche será devido mensalmente ao magistrado, no valor de 5% do subsídio por filho, desde o nascimento até os seis anos de idade.

§ 10º O auxílio-educação será devido ao magistrado no mesmo valor do auxílio-creche, por filho, com idade entre seis e 24 anos, que esteja cursando o ensino fundamental, médio ou superior, em instituição privada.”

 

Entenderam ou preciso desenhar?

 

ElAs querem auxílio-creche, até os 6 anos de idade e auxílio-educação a partir dos 7 anos até os 24 anos de idade!

 

É mole?

 

Os filhos delas, aos completarem 14 anos, quando poderiam começar a trabalhar, vão para o ensino médio e superior!

 

O do pobre não, tem que começar aos 14 anos de idade, talvez menos, até, para aprender a dignidade do trabalho que não dão aos filhos delas!

 

Aí há uma mistura de crueldade, perversidade e sadismo!

 

Mas elAs são magistradAs!

 

Se crianças estão servindo ao tráfico, a ele são levadas por quem?

 

Por adultos, claro.

 

Quem deve combater o tráfico praticado por adultos que envolvem crianças?

 

O sistema repressor do Estado no qual existe as forças armadas nas fronteiras, polícias várias e poder judiciário, aliás, é no poder judiciário que estão trabalhando as magistradAs!

 

Ou seja, o Estado, como um todo, em vez de agir e cumprir com o seu dever, empurra para os pobres mais cargas a aumentar suas misérias!

 

Quando digo que o problema é complexo, é por ser complexo mesmo!

 

Até a estabilidade econômica contribui para o aumento do tráfico de entorpecentes, especialmente no Brasil, com suas imensas fronteiras não vigiadas!

 

A paridade entre real e dólar é um incentivo para que os traficantes dos nossos países vizinhos, em vez de levarem o entorpecente para os Estados Unidos e Europa, grandes consumidores, portanto, incentivadores do tráfico, são sábios o suficiente para perceberem que os custos para trazerem para o Brasil é bem menor!

 

Mas isso, segundo as magistradAs, será resolvido com menores de 14 anos de idade colocados no mercado de trabalho!

 

Aliás, nem os maiores de 14 anos de idade conseguem trabalhar, como essas crianças disputarão o tal mercado de trabalho?

 

Meus filhos, que, por eu ter estudado e não começado a trabalhar aos 14 anos de idade, não começaram e nem começarão a trabalhar antes dos 24 anos de idade!

 

Nem por isso os tenho por vagabundos, por não terem começado a trabalhar aos 14 anos de idade, ao contrário, são pessoas que me enchem de orgulho por terem estudado!

 

Mas, ao contrário das magistradAs, não quero isso apenas para os meus filhos, quero para os filhos de TOD@S!

 

Não quero meus filhos em uma ilha de fartura cercado por famintos!

 

Ninguém, nem as magistradAs, querem seus filhos trabalhando aos 7 anos de idade!

 

Se isso ocorre é por necessidades e é para ajudar a superar essas necessidades que existe o Estado!

 

E o Estado deve prover a todos até os 24 anos de idade, e não apenas @s filh@s de magistrad@s!

 

Uma criança com 14 anos de idade sequer tem condições de saber o que é o melhor para elas, mas, acredito, 99,99% delas prefeririam dormir, comer e estudar a estarem presas aos cabos de pás e enxadas em vez de estarem brincando para se fazerem homens estudados e decentes!

 

Uma criança de 14 anos que começa como ajudante de um ajudante de pedreiro, por exemplo, jamais chegará a ser um engenheiro.

 

Ajudante e engenheiro são igualmente importantes, mas, acredito, é melhor termos um ajudante de pedreiro formado em engenharia que não termos engenheiros!

 

Conversando sobre o tema com uma amiga jurista me disse ela, resumidamente, o seguinte:

 

"Segundo as magistradas, essas crianças buscam dinheiro fácil na 'empresa' do tráfico, pois estas nascem em famílias pobres e conseguem ver no tráfico uma saída para ajudar em casa.

 

Logo, qual seria a solução? Dar trabalho lícito para as crianças ajudarem em casa!

 

Lógico, é mais fácil ocupar a criança com trabalho, do que com estudo de qualidade... ou criar programas de combate efetivo ao tráfico, ou, até, incentivo de trabalho às famílias dessas crianças!

 

Quando o berço é de ouro, fica fácil defender a 'escravização' de quem vem do berço de palha.

 

Afinal, o melhor é manter essas crianças mais pobres longe dos filhos das magistradas proponentes que estão estudando arduamente às custas de auxílios (creche... educação... enfim). Imaginem contaminar os filhos das magistradas?  Onde já se viu a filha do pedreiro poder se tornar engenheira como o filho de uma delas? Onde já se viu as crianças de mundos 'tão diferentes' terem as mesmas oportunidades?

 

Deve-se, portanto, buscar a RAIZ do problema, e não tomar medidas paliativas de que nada adiantarão, pois ainda que se legalize o trabalho para o menor de 14 anos, este ainda optará pelo tráfico, que sempre pagará mais do que um emprego formal, regular.

 

O tráfico que deve ser combatido, essas crianças colocadas nas escolas e seus pais obterem possibilidade de trabalho digno, evitando assim que os pequenos busquem alternativas de ganhos para trazer ajuda às suas casas.

 

Ou, ainda, o incentivo ao estudo, sendo que com boas notas, frequência nas aulas, o menor recebe algum tipo de bolsa, cesta básica. Que o ESTUDO seja o trabalho desses jovens!"

 

Então, se quisermos resolver os problemas dos quais padecem as crianças pobres, resolvamos antes os problemas criados para elas pelos adultos.

 

A frase antiga já diz: “Eduquem as crianças e não será preciso castigar os homens”!

 

A frase é antiga e vívida por ser sábia, vejam que ela manda EDUCAR e NÃO TRABALHAR como querem esses arremedos de seres humanos, e diz isso por saber que sem educação não há solução!

 

Inté,

 

Osório Barbosa

 

A reportagem origem do meu texto pode ser vista em: https://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2019/06/05/interna_gerais,1059372/magistradas-defendem-trabalho-a-partir-dos-14-para-livrar-do-trafico.shtml.

 

Fontes das imagens:

http://varelanoticias.com.br

e

http://www.soseducacao.com.br

Site Parceiro

tercio

Você está aqui: Home Artigos MagistradAs propõem criança trabalhando a partir dos 14 anos de idade!