Outros Escritos Meus

Você está aqui: Home | Artigos

X Y

Os erros de alguns dos donos das verdades - VII ( Sêneca).

por Osório Barbosa e outros.

 

"Sejamos justos: Sêneca jamais se apresentou como a encarnação do estoicismo e teve a honestidade de reconhecer que sua vida nem sempre esteve em conformidade com seus preceitos. No entanto, a acusação de hipocrisia persiste e sua existência nada tem de um modelo de virtude. Amante de cortesãs tanto quanto de princesas, dentre as quais Julia, filha de Germânico e provavelmente Agripina, a mãe de Nero, cujo assassinato ele justifica em seguida; cortesão subserviente, de uma indulgência excessiva com Nero; ávido por riquezas, acumulando milhões de sestércios e de propriedades, levando a vida em grande estilo, ele nada tem de um Diógenes ou de um Epicteto. Inclusive seu suicídio “estoico”, tão celebrado pelos artistas, é visto com reservas — como Sócrates, ele não tinha muita escolha: matou-se por ordem de Nero. Para Dion Cássio, é um hipócrita notório.


O que nos interessa, aqui, é que ele se preócupacom a questão da felicidade, à qual volta em numerosas cartas e à qual dedica tratados inteiros: Du respos du sage [Do repouso do sábio], Da tranquilidade da alma e, principalmente, Da vida feliz. Neste último, ele retoma do início a constatação de Sócrates:

[64]


Na vida, é a felicidade que todos os homens querem; mais, quando se trata de ver com clareza em que consiste o que pode fazer a vida feliz, eles tem uma nuvem diante dos olhos.


Todos têm a pretensão de opinar sobre o assunto, mas na verdade cada um busca imitar os outros e apenas repete os lugares-comuns. Ora, na busca da felicidade, como em outros temas, “a multidão é a prova do que é pior”. Sêneca dá então sua própria definição: [Osório diz: bem internet!].


A vida feliz é aquela que se concilia com sua natureza. Só podemos obter essa vida se o espírito é são e sempre em posse de boa saúde; se, além disso, ele é enérgico e ardente; se é dotado das mais belas qualidades, paciente, adequado a todas as circunstâncias, cuidadoso com o corpo que ele habita e do que ali se proporciona, mas sem agitações minuciosas; se dá atenção às outras coisas da vida, sem se ofuscar por nenhuma; se sabe usar as dádivas da sorte, sem jamais delas ser escravo. Compreendeis, ainda que eu não o diga, que daí resulta uma tranquilidade perene, a liberdade, já que foi banido tudo o que a todo instante vem nos irritar, nos assustar.

...

[65]


Sêneca tem a honestidade de reconhecer que a doutrina de Epicuro é próxima da sua, e muito rígida; seus discípulos é que o traíram, pretextando a apologia do prazer para estendê-lo à devassidão: [Osório diz: questão da relação discípulo e mestre, ou melhor, dos erros de uns e de outros].

Fonte: “A idade de ouro, História da busca da felicidade”, de Georges Minois, tradução de Christiane Fonseca Gradvohl Colas, UNESP, São Paulo, 2011, p. 66).


...

(um bom fiador para uma causa ruim).

...


Eu sei o que dirão: “Falas de uma maneira e vives de outra”. Vão censurar minha riqueza, minhas propriedades, meus escravos, as joias de minha mulher, minhas boas refeições, as lágrimas que derramo diante da morte de meus amigos, a cólera que sinto quando me caluniam; é esse o desapego do filósofo?


Eis o que eu responderia: não sou sábio, [...] exijo de mim não ser igual aos mais virtuosos, mas ser melhor do que os maus; [...] quando mostro minha indignação contra os vícios, é primeiro contra os meus. [Osório diz: Eu!] [Osório diz: Esta é uma citação de Sêneca].


... Falo de um ideal que não consegui atingir e poderíamos dizer o mesmo de todos os filósofos,


pois, se suas ações também estivessem no nível de seu discurso, quem seria mais feliz do que os filósofos? [,...] E de surpreender que eles não cheguem um alto, tendo começado a escalar encostas tão íngremes?


Confissão corajosa, mas catastrófica para nosso propósito: acreditamos ter encontrado um caminho para a felicidade, e isso não passa de ilusão? Então, nenhum dos filósofos que nos ensinam a vida feliz conseguiu alcançá-la? Mas eles não seriam mais sábios do que os homens comuns? A idade de ouro está realmente perdida.


O modo desajeitado de Sêneca defender suas riquezas apenas reforça essa constatação de fracasso: é claro, sou rico, mas não sou apegado ao meu dinheiro; ficaria indiferente se o perdesse; um filósofo rico não é a mesma coisa que um não filósofo rico: “Para mim, as riquezas têm importância; para vocês, são o mais importante”. Além disso, é mais difícil ser sábio sendo rico do que sendo pobre: tenho de provar “temperança, liberalidade, exatidão, economia, magnificência”; felizes os pobres, que não têm todas essas preocupações. “Então, parem de proibir o dinheiro aos filósofos; nunca a sabedoria foi condenada à pobreza”. Aliás, Catão era ainda mais rico do que eu. “Não me acho nem um pouco mais feliz porque tenho uma capa macia e porque estendo a púrpura sobre ricos tapetes em meus festins." Dinheiro não traz felicidade, sabemos todos. Mas, é verdade, prefiro filosofar no conforto, e até no luxo, “vestindo a toga ou o manto, a estar com os ombros nus ou mal cobertos”. [Osório diz: Arrasou!] [Osório diz: Serve para quem costuma acusar os comunistas de gostarem do que é bom].

Infeliz Sêneca! Que crédito daremos então a suas declarações sobre a felicidadedo do sábio que se desapega de todos os bens? Pois ele insiste fortemente nisso em suas cartas. Uma delas até se intitula “Sobre as vantagens da pobreza”. Como são felizes, os pobres! [Osório diz: É que ele sabia ser rico]


Comparem o rosto dos pobres e o dos ricos. O pobre ri muito mais e com franqueza; se lhe advém alguma preocupação, ela passa como uma nuvem. Mas entre aqueles a quem chamamos felizes a alegria é simulação; a tristeza, um mal terrível que os devora.

[67]


É preciso acreditar que, afinal de contas, não é a felicidade que Sôneca procura; do contrário ele abandonaria seus milhões. Em outra carta, ele conta como, durante uma viagem, até experimentou a ventura da frugalidade: durante dois dias ficou com a mesma roupa, dormiu em um colchão no chão, tendo um casaco por cobertor; comeu figos secos e circulou em um veículo comum; e nem se queixou!


Minha viagem me ensinou quantas coisas supérfluas possuímos e quão facilmente poderíamos dispensar todas elas, já que não nos fazem falta quando a necessidade delas nos priva.


Não podemos alcançar a felicidade pela riqueza e pelos prazeres, como escreve a um amigo:


Você aspira a felicidade, mas se engana se espera alcança-lapela riqueza, se for às honrarias e aos negócios que a pede. Todos esses bens que você busca, como se devessemlhe dar prazer e contentamento, são fontes de tristeza. Corremos atrás da verdadeira alegria; mas ignoramos inteiramente o que a torna real e durável: este a procura nos festins e na devassidão, aquele na ambição e em um vasto cortejo de vassalos; outro, nos braços de uma amante; aquele outro, em uma inútil demonstração de conhecimento literário, e em estudos que não curam a alma. Todos esses homens deixam-se seduzir por diversões enganosas e passageiras; assim, a embriaguez nos faz pagar uma hora de alegria insana por um longo aborrecimento; assim, os aplausos e as aclamaçõesda aprovação popular se compram e se expiam por meio de cruéis angústias.


Não seria sua própria situação o que ele descreve aqui?


Ao longo de seus escritos, Sêneca retoma o problema da felicidade, tenta cercá-la, abordáa-la, explorar caminhos para alcançá-la. “A vida é um bem menor do que a felicidade”, diz. A felicidade, portanto, é o bem supremo. “Ela consiste na perfeição da razão.” Mas


o que é a vida feliz? E a segurança; é uma calma inalterável. Quem nos dará essa vantagem? A grandeza de alma e a perseverança em executar as decisões de um julgamento sadio. Como chegamos lá? Ao abarcar em um só olhar a [68] verdade inteira; ao conservar nas ações a ordem, a ponderação, a conveniência, uma disposição inofensiva e generosa, em conformidadecom a razão que dela jamais se separa, e que é digna tanto de amor como de admiração.


E acrescenta: ”Quanto ao prazer, é a felicidade do bruto”.


Às vezes, ele é mais concreto: saibamos aproveitar o presente, pois ”a esperança do futuro nos faz ingratos à felicidade presente";

...

No tratado Da tranquidade da alma, ele opta claramente pelo repouso, com uma entonação que Epicuro não renegaria. Seu amigo Serenus está melancólico e hesita entre a carreira pública e a aposentadoria. Retira-te dos negócios, aconselha Sêneca, mas aos poucos, e procura a paz de espírito, que te garantirá a felicidade. Consagra-te ao estudo, passeia, frequenta amigos, bebe um bom vinho,


às vezes até podemos chegar à embriaguez, não para nela afundar, mas para encontrar um estimulante; ela dissipa as mágoas e desperta a faculdade da alma, e, entre outras doenças, cura a tristeza.

[Osório diz: Bela contradição com o que ele diz sobre a embriaguez mais acima!]


Não faça nada sem objetivo, sem razão; permaneça senhor de si, de suas emoções; que sua razão controle sempre sua conduta. Então, talvez você seja feliz.


Talvez... mas nada é menos certo. De fato, mais ainda do que para Horácio, podemos dizer que a obsessão da felicidade que percorre toda a obra de Sêneca é um sinal infalível de sua derrota. Sêneca, tão pródigo em conselhos sobre a vida feliz, não é feliz. Médico, cura-te a ti mesmo, poderíamos dizer. Ele o admite em uma carta a Lucílio:

[69]


Não, Lucilio, estando eu mesmo doente, não tenho a pretensão de curar os outros; mas acamado, por assim dizer, na mesma enfermaria, converso com você sobre nossos sofrimentos mútuos; eu lhe comunico minhas receitas. Escute minhas palavras como se fossem dirigidas a mim mesmo. Apresento-o ao fundo de minha alma, e lá, sem sua presença, censuro-me, dizendo: “Conta teus anos, e enrubescerás de teres ainda os caprichos e os projetos de tua infância; prevê o dia de tua morte; mata teus vícios antes de ti; rompe com esses prazeres tempestuosos que custam tão caro, funestos tanto depois como antes da satisfação, [...] aspira de preferência a uma felicidade constante: ora, ela não será da alma se não for tirada dela mesma. [...] Quando serás chamado a fruir dessa felicidade? Longe de interromper a busca, tu te apressas a alcançá-la. Quantas obras te restam a fazer! Quantas vigílias e quantos trabalhos para atingir esse objetivo! E ninguém pode fazê-lo por ti".


Em outra carta, fica evidente que Sêneca tenta se convencer levantando objeções:


É verdade, me dirá alguém, que o sábio é feliz, mas não consegue chegar à felicidade perfeita. [...] Assim, o homem virtuoso não poderia ser miserável, mas não é perfeitamente feliz se estiver desprovido de vantagens físicas como a saúde e o uso dos membros. [...] Ouço alguém me dizer: o sábio, com um corpo fraco, não é feliz nem infeliz.


As respostas de Sêneca não são lá muito convincentes: se um sábio doente não é feliz nem infeliz, então ele é feliz, pois se não é infeliz, quer dizer que há nele uma virtude tal que nada pode perturbar sua felicidade! E, se ele é feliz, então é perfeitamente feliz, pois,


se a virtude pode impedir um homem de ser miserável, ela vai achar mais fácil ainda torná-lo perfeitamente feliz, pois o intervalo entre a felicidade e a perfeita felicidade é menor do que entre a felicidade e a infelicidade.


E claro, diz Sêneca, “essas máximas nos parecem paradoxais,exageradas, acima da humanidade”.


De fato, o próprio Sêneca não está convencido. O caminho estoico para a felicidade é irreal. É outro beco sem saída. Será que esse caminho já tornou [70] feliz algum homem? Isso é improvável. Esse endurecimento pode tornar os homens corajosos, sem dúvida. Felizes, certamente não.

 

Fonte: A idade de ouro, História da busca da felicidade, de Georges Minois, tradução de Christiane Fonseca Gradvohl Colas, UNESP, São Paulo, 2011, p. 64-71.

 

 

13

 

X Y

Os erros de alguns dos donos das verdades - VI (Epicuro).

por Osório Barbosa e outros.

 

"Mas uma questão se apresenta: se o mundo de Epicuro é materialista, e a própria alma é material, somos determinados pelas leis físicas, não somos livres e, nesse caso, não depende de nós escolhermos a sabedoria, sermos felizes ou infelizes. O filósofo se esforça em nos tranquilizar ao reintroduzir a liberdade no seio da matéria, graças a um subterfúgio bem pouco convincente, para dizer a verdade: tudo é composto de átomos, como dissera Demócrito (460 a.C.-360 a.C.), átomos em queda livre cujas combinações mecânicas produzem todas as formas do real. Mas eles não caem em linha reta; sua trajetória sofre um desvio ínfimo, a declinação, que introduz um elemento aleatório, um princípio de indeterminação que torna possível a livre escolha.


[Osório diz: O erro de Epicuro].


Fonte: A idade de ouro, História da busca da felicidade, de Georges Minois. Tradução de Christiane Fonseca Gradvohl Colas. UNESP. São Paulo: 2011, p. 56.

 

 

2

 

La pirágua

Maraã, o centro do mundo – II

La pirágua.

Ainda há quem duvide, mas são apenas os ignorantes e se é ignorante é por ser desinformado, não conhecer.

Já quem conhece e duvida, é burro!

Papai (Juarez Barbosa de Lima) já dizia: “Se homenagem não me rendem, é porque não me entendem, eles são irracionais.”

Não sei onde ele aprendeu isso, pois só lia “soletrando”, com muita dificuldade.

Mas, esse mesmo pai analfabeto, nos idos dos anos de 1970, em Maraã, criou a canoagem, modalidade esportiva em que hoje o baiano Isaquias Queiroz faz o merecido sucesso: foi medalha de ouro no individual na última olimpíada (2021).

Em Maraã a disputa de canoas ocorria nas comemorações de 7 de setembro! Várias canoas com seus remadores iam para a disputa no lago de Maraã.

A canoa do papai era a “La pirágua”

Entre os vários remadores, dentre os quais não estava o proprietário da canoa, figurava o seu “Chico Paulo”, marido da dona “Chica Paula”, pais do Luiz, Milton, Valdeci, Paulo e outros.

Seu Chico era um homem forte, musculoso, falava explicado, o que hoje mais me admira ainda, como sua irmã, dona Dácia. Fumava uns cigarros enrolados em papelinho depois do tabaco está picado. Era ele o mestre (também era carpinteiro) de “La pirágua”, era quem comandava os remadores para a vitória!

Medalha de ouro para seu Chico e seus companheiros de remo e seu incentivador principal de terra: Juarez.

Era orgulho para nós vermos a “La pirágua” cruzar a linha de chegada em primeiro lugar!

(Mais história sobre a “La pirágua” está em: ): https://www.youtube.com/watch?v=rPRowttpBog.

Portanto, insisto, tudo que se chama cultura, especialmente a ocidental, começou em Maraã, o ónfalo, ou umbigo do mundo!

Quem não acreditar, que comece a estudar a nossa rica história!

Inté,

Osório Barbosa.

História da feiúra Eco

 

 

Não se deprecie!

 

Você tem algum defeito do qual tenha vergonha?

Vou tentar falar sobre a pergunta acima, não sem antes dizer que conheço aqueles dois ditados populares (“tamanho não é documento” e “dinheiro não traz felicidade”, que, dizem, somente podem ter sido criados por um baixinho pobre!).

Ao longo da minha microexistência, tenho percebido que raramente alguém não se acha defeituoso, seja por qual motivo for!

São os olhos muito abertos, os olhos muito fechados, os outros medianamente abertos e fechados e por aí vai! Nariz, boca, cabelos, orelhas e tudo o mais, sempre o “dono” encontra um defeito em si!

Sempre digo para quem fala dos seus defeitos: não se deprecie, pois, para isso, já existem tantas outras pessoas falando mal de você! Não seja mais uma portanto!

Já vi reclamação a respeito de si mesma de pessoas que milhões julgam belas! Nem vou citar nomes para não contribuir com a baixo estima de ninguém!

Mas digo tudo para sugerir a você que faça de seu “defeito” uma virtude (“que do limão faça a limonada”, como diz o sábio popular).

A exemplo de que isso é possível vou lhes trazer o exemplo da Cindy Crawford (quis namorar comigo, mas recusei!, alerte-se)!

Aquele lindo sinal que ela tem no rosto, se fosse no rosto de quem se detesta, seria causa de angústia, desgosto, aflição etc., e enriquecimento do cirurgião plástico!

Mas, o que fez a modelo?

Capitalizou seu possível “defeito”, transformando em uma marca de sucesso!

Quem não queria olhar, tocar, beijar o sinal de Cindy?

Até eu, que sou bobo, queria!

Você que é magro, gordo, baixo, alto, feio, bonito, branco, negro etc. e tal, não se preocupe com isso, ou faça disso o que Cindy fez com sinal dela: transforme o que você entende como um defeito em um sinal a marcar, como ferro em brasa, as demais pessoas a respeito de quem você é e de como você se vê: belo como a natureza, que todos dizem sábia, o fez!

Saiba que o pior defeito de um ser humano ninguém nem consegue ver! É invisível aos olhos! Qual é?

A falta de caráter!

O escrito acima não é para justificar minha gordura, por exemplo, pois não tenho nada, esteticamente, contra quem é gordo, por exemplo, mas apenas de tentar mostrar que você é muito mais belo do que costuma se achar!

Não fosse a saúde, o que é um problema que nada tem a ver com a beleza, a estética, eu cultivava mais a gordurinha, pois comer é uma das melhores coisas do mundo, perdendo apenas, creio, para a alto estima que, antes de tudo, devemos ter por nós mesmos!

Inté,

Osório Barbosa.

FB IMG 1628379591065
 
 
Privatização.
 
Explicação para idiotas e para bandidos. 
 
Para bandidos não é necessário explicar, pois é o que eles querem e sabem a razão do seu querer: roubar o povo.
 
Para o idiota:
 
- a empresa pública a ser privarizada (ou o bem público a ser vendido):
 
1 - é de propriedade do povo, portanto, ele também é seu. Vendida, ela passará a ser de uma única pessoa, pessoa que, certamente, não é você, nem um parente ou amigo seu, embora, mesmo que fosse, você estaria de fora.
 
2 - Hoje, enquanto a empresa é pública, você paga pelos serviços que ela presta. Paga preço menor que o devido. Privatizada a empresa, você continuará pagando, só que, agora, por um preço bem maior, regra geral, o dobro.
 
Antes de privatizar, o governo injeta recursos públicos (seus) para melhorar (modernizar) mais ainda a empresa.
 
O governo financia, com seu dinheiro, a compra da empres pública! Regra geral com carência longa, juros pequenos e garantia de reajustes.
 
Resumo: você se lasca várias vezes para que um única pessoa fique rica com seus bens, seu dinheiro e você como cliente. 
 
Pense no seguinte: se a empresa pública fosse um elefante branco, como dizem seus detratores, que rico bandido iria comprá-la?
 
Iria fazer isso para ter prejuízo?
 
Se você não se informa, não saberá fazer um juízo crítico e, sem este,  continuará sendo apenas mais um estúpido.
 
Inté,
 
Osório Barbosa.

 

X Y

Os erros de alguns dos donos das verdades - (V).

por Osório Barbosa e outros.

 

A medida que nos informamos, mas percebemos que não sabemos de nada, aliás, ninguém sabe!

Comece a perguntar e, em breve, o perguntado está em um beco sem saída!

Uns começam a falar algo que ninguém entende (são os filósofos), outros remetem para os deuses (são os religiosos).

Como nada sabemos adquirimos o hábito de repetirmos o que nos dizem como sendo “a verdade”! Com as informações passamos a ver que não é bem verdade aquilo que se diz ser verdade!

Vamos a algumas verdades que não são verdadeiras!

Vamos a outro pensador daquilo que chamamos cultura ocidental (a publicação anterior está indicada ao final). Trata-se de outro grego, Anaximandro, originário da cidade de Mileto situada na Ásia Menor (atual Turquia) foi discípulo de Tales.

Anaximandro divergiu, no todo, Empédocles (terra, água, ar e fogo), de Heráclito (fogo), de Anaxímenes (ar) e de Tales (água), mas prosseguiu na busca pela fundamentação do pensamento racional, afastou-se, também, do pensamento mítico, religioso, dogmático (dogma é aquilo que não se discute), propôs ele que “a origem de todas as coisas era o ‘Apeiron!

O que é o “Apeiron”?

Depois de ler alguns livros, até hoje não compreendi o que seria isso!

Mas, se diz, que o “Apeiron” é “a matéria indefinida, não especificada”.

Anaximandro não propôs, como os demais pensadores citados, um elemento “material”, palpável.

Pelo que conhecemos, as divergências, sempre salutares, entre pensadores teve prosseguimento aí.

E o estraga festas teve seu prazer estragado! Não disse nada contra o tal “Apeiron” continuar produzindo as coisas.

Eu, Osório, tenho dificuldades com o “Apeiron”!

Acho que ele não responde nada sobre a origem ou essência das coisas, ao contrário, deixa tudo como está: sem resposta!

“Matéria indefinida, não especificada” é quase que o mesmo que “não sei” ou “vem de algo que não conheço”! Mas isso todos nós sabemos (“que não sabemos de onde vêm as coisas”!).

Não digo que está sepultada a teoria de Anaximandro, só digo que ela não serve, pois não explica nada! Não mostra qualquer coisa razoável, além da ignorância de que nada sabemos.

Aliás, pensando melhor, podemos dizer que Anaximandro não foi um materialista! O “Apeiron” não pode ser visto como matéria!

Seria ele o primeiro pensador idealista?

A teoria de Anaximandro é, ainda hoje, recordada apenas como referencial histórico do pensamento.

Tem mais!

Aguardem.

 

Inté,

Osório Barbosa.

 

P.S.: publicações anteriores:

https://www.osoriobarbosa.com.br/artigos/contos-escritos-meus/item/3128-os-erros-de-alguns-dos-donos-das-verdades-i

 

e

 

https://www.osoriobarbosa.com.br/artigos/contos-escritos-meus/item/3129-os-erros-de-alguns-dos-donos-das-verdades-ii

 

e

 

https://www.osoriobarbosa.com.br/artigos/contos-escritos-meus/item/3130-os-erros-de-alguns-dos-donos-das-verdades-iii

 

e

 

https://www.osoriobarbosa.com.br/artigos/contos-escritos-meus/item/3131-os-erros-de-alguns-dos-donos-das-verdades-iv

 

 

 

 

X Y

Os erros de alguns dos donos das verdades - (IV).

por Osório Barbosa e outros.

 

A medida que nos informamos, mas percebemos que não sabemos de nada, aliás, ninguém sabe!

Comece a perguntar e, em breve, o perguntado está em um beco sem saída!

Uns começam a falar algo que ninguém entende (são os filósofos), outros remetem para os deuses (são os religiosos).

Como nada sabemos adquirimos o hábito de repetirmos o que nos dizem como sendo “a verdade”! Com as informações passamos a ver que não é bem verdade aquilo que se diz ser verdade!

Vamos a algumas verdades que não são verdadeiras!

Vamos a outro pensador daquilo que chamamos cultura ocidental (a publicação anterior está indicada ao final). Trata-se de outro grego, Empédocles, originário da cidade de Agrigento situada na Magna Grécia (“Grécia Maior”, atual sul da Itália, especialmente na Sicília).

Empédocles divergiu, em parte, de Heráclito (fogo), de Anaxímenes (ar) e de Tales (água), mas prosseguiu na busca pela fundamentação do pensamento racional, afastou-se, também, do pensamento mítico, religioso, dogmático (dogma é aquilo que não se discute), propôs ele que “a origem de todas as coisas eram a água, o ar, o fogo e a terra”!

Empédocles não propôs, como os demais pensadores citados, um único elemento. Propôs vários, como podemos ver.

Assim, ele fez uma somatória dos elementos propostos por seus antecessores e acrescentou mais a terra. 

Pelo que conhecemos, as divergências, sempre salutares, entre pensadores teve prosseguimento aí.

E o estraga festas continua na sua luta, que não deixa de ser uma batalha em favor do pensamento racional, e volta a abalar “a verdade” de Empédocles com o mesmo argumento com o qual foram contestados os pensamentos de Heráclito, Anaxímenes e Tales.

Qual?

Argumentou ele: “Se tudo tem origem na água, no ar, no fogo e na terra, como diz Empédocles, quando esses quatro elementos deixaram de produzir as coisas?

Estava sepultada a teoria de Empédocles, a qual é, ainda hoje, recordada apenas como referencial histórico do pensamento.

Tem mais!

Aguardem.

 

Inté,

Osório Barbosa.

 

P.S.: publicações anteriores:

https://www.osoriobarbosa.com.br/artigos/contos-escritos-meus/item/3128-os-erros-de-alguns-dos-donos-das-verdades-i

 

e

 

https://www.osoriobarbosa.com.br/artigos/contos-escritos-meus/item/3129-os-erros-de-alguns-dos-donos-das-verdades-ii

 

e

 

https://www.osoriobarbosa.com.br/artigos/contos-escritos-meus/item/3130-os-erros-de-alguns-dos-donos-das-verdades-iii

 

 

X Y

Os erros de alguns dos donos das verdades - (III).

por Osório Barbosa e outros.

 

A medida que nos informamos, mas percebemos que não sabemos de nada, aliás, ninguém sabe!

Comece a perguntar e, em breve, o perguntado está em um beco sem saída!

Uns começam a falar algo que ninguém entende (são os filósofos), outros remetem para os deuses (são os religiosos).

Como nada sabemos adquirimos o hábito de repetirmos o que nos dizem como sendo “a verdade”! Com as informações passamos a ver que não é bem verdade aquilo que se diz ser verdade!

Vamos a algumas verdades que não são verdadeiras!

Vamos a outro pensador daquilo que chamamos cultura ocidental (a publicação anterior está indicada ao final). Trata-se de outro grego, Heráclito, originário da cidade de Éfeso situada também na Ásia Menor (atual Turquia).

Em Maraã tem a rua Heráclito Silva, uma homenagem ao meu avô materno, um dos primeiros vereadores da cidade, cujo nome, por sua vez, homenageava o pensador grego.

Heráclito divergiu de Anaxímenes (ar) e de Tales (água), mas prosseguiu na busca pela fundamentação do pensamento racional, afastando-se, também, do pensamento mítico, religioso, dogmático (aquilo que não se discute), propôs ele que “a origem de todas as coisas era o fogo”!

Pelo que conhecemos, as divergências, sempre salutares, entre pensadores tem prosseguimento aí.

E o estraga prazer continua na sua luta, que não deixa de ser uma batalha de pensamentos, e volta a abalar “a verdade” de Heráclito com o mesmo argumento com o qual foram contestados Anaxímenes e Tales.

Qual?

Argumentou ele: “Se tudo tem origem no fogo, como diz Heráclito, quando o fogo deixou de produzir as coisas?

Estava sepultada a teoria de Heráclito, a qual é, ainda hoje, recordada apenas como referencial histórico do pensamento.

Tem mais!

Aguardem.

 

Inté,

Osório Barbosa.

 

P.S.: publicações anteriores:

https://www.osoriobarbosa.com.br/artigos/contos-escritos-meus/item/3128-os-erros-de-alguns-dos-donos-das-verdades-i

 

e

 

https://www.osoriobarbosa.com.br/artigos/contos-escritos-meus/item/3129-os-erros-de-alguns-dos-donos-das-verdades-ii

 

 

 

 

 

X Y

por Osório Barbosa e outros.

 

A medida que nos informamos, mas percebemos que não sabemos de nada, aliás, ninguém sabe!

Comece a perguntar e, em breve, o perguntado está em um beco sem saída!

Uns começam a falar algo que ninguém entende (são os filósofos), outros remetem para os deuses (são os religiosos).

Como nada sabemos adquirimos o hábito de repetirmos o que nos dizem como sendo “a verdade”! Com as informações passamos a ver que não é bem verdade aquilo que se diz ser verdade!

Vamos a algumas verdades que não são verdadeiras!

Vamos a outro pensador daquilo que chamamos cultura ocidental (a publicação anterior está indicada ao final). Trata-se de outro grego, Anaxímenes, também originário da cidade de Mileto situada na Ásia Menor (atual Turquia).

Anaxímenes divergiu de Tales, mas prosseguiu na busca pela fundamentação do pensamento racional, afastando-se, também, do pensamento mítico, religioso, dogmático (aquilo que não se discute), propôs ele que “a origem de todas as coisas era o ar”!

Pelo que conhecemos, as divergências, sempre salutares, entre pensadores começa aí.

Não sei se o mesmo ou outro estraga prazer que abalou a “a verdade” de Tales também opôs o mesmo argumento para contestar Anaxímenes.

Qual?

Argumentou: “Se tudo veio do ar, como diz Anaxímenes, quando o ar deixou de produzir as coisas?

Estava sepultada a teoria de Anaxímenes, a qual é, ainda hoje, recordada apenas como referencial histórico do pensamento.

Tem mais!

Aguardem.

 

Inté,

Osório Barbosa.

 

P.S.: publicação anterior:

https://www.osoriobarbosa.com.br/artigos/contos-escritos-meus/item/3128-os-erros-de-alguns-dos-donos-das-verdades-i

 

 

 

X Y

Os erros de alguns dos donos das verdades - (I).

por Osório Barbosa e outros.

 

A medida que nos informamos, mas percebemos que não sabemos de nada, aliás, ninguém sabe!

Comece a perguntar e, em breve, o perguntado está em um beco sem saída!

Uns começam a falar algo que ninguém entende (são os filósofos), outros remetem para os deuses (são os religiosos).

Como nada sabemos adquirimos o hábito de repetirmos o que nos dizem como sendo “a verdade”! Com as informações passamos a ver que não é bem verdade aquilo que se diz ser verdade!

Vamos a algumas verdades que não são verdadeiras!

Comecemos pelo primeiro pensador daquilo que chamamos cultura ocidental. Trata-se de Tales, cujo sobrenome não sabemos, mas que era da cidade grega de Mileto situada na Ásia Menor (atual Turquia), daí ser conhecido como Tales de Mileto.

Tales, buscando fundar o pensamento racional, afastando-o do pensamento mítico, religioso, dogmático (aquilo que não se discute), propôs que “a origem de todas as coisas era a água”!

Foi um avanço enorme essa postura do grego para sua época.

Depois, muito depois, chegou um estraga prazer e acabou com “a verdade” de Tales.

Como?

Perguntando.

Disse o outro pensador, cuja identidade desconheço: “Se tudo veio da água, como diz Tales, quando a água deixou de produzir as coisas?”

Estava sepultada a teoria de Tales, a qual é, ainda hoje, recordada apenas como referencial histórico do pensamento.

Tem mais!

Aguardem.

 

Inté,

Osório Barbosa.

Página 1 de 10
Você está aqui: Home | Artigos