Outros Escritos Meus

“Historinha de Maraã”

“Historinha de Maraã”

 
“As vezes ficávamos o dia todo tomando banho no lago de Maraã ou no rio Japurá. Éramos vários meninos, mas nunca nenhum de nós sumiu engolido por um peixe ou por outro animal! Mas nossos pais, creio que para nos fazer medo, viviam fantasiando a esse respeito, dizendo que não era para irmos para a beira do rio.
 
Para não dizer que não aconteceu nunca nada, logo que a nova sede municipal foi instalada na localidade atual, alguns meninos perderam alguns dedos dos pés levados pelas piranhas pretas, dentre os quais o “Dr. do seu Pedro Moita”. Depois de um tempo as piranhas sumiram.
 
Nossas mães detestavam uma de nossas brincadeiras favoritas nos barrancos, que era a seguinte: como não existia “toboágua”, fazíamos uma trilha no barro para servir como tal, alisávamos bem usando nossas mãos e água e depois escorregávamos barranco abaixo até cairmos no rio. É uma brincadeira muito divertida, legal mesmo. O inconveniente, e daí as brigas maternas, é que os nossos calções ficam puídos e se estragam, rasgando rapidamente. O atrito com o barro vai afinando o pano até ele ficar muito fino, mesmo os panos mais grossos e, logo em seguida, rasgam-se.
 
O prazer da brincadeira compensava alguns safanões.”
 
Dias depois, a Cris, me enviou o seguinte link: https://www.facebook.com/video.php?v=933563980011677.
 
Ou seja, ao que eu tinha escrito ao lembrar-me da minha infância juntou-se essa linda imagem (abaixo) que, felizmente, está aí para todos assistirem, sendo que a minha está guardada apenas na minha memória e daqueles com os quais brincávamos.
 
Até mais,
 
Osório Barbosa.